jusbrasil.com.br
22 de Agosto de 2019

Recurso de Apelação

Caso utilizado será da fase XXI do OAB

Renata Patrícia, Estudante de Direito
Publicado por Renata Patrícia
ano passado
Recurso de Apelação.docx
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Enunciado

Em junho de 2009, Soraia, adolescente de 13 anos, perde a visão do olho direito após explosão de aparelho de televisão, que atingiu superaquecimento após permanecer 24 horas ligado ininterruptamente. A TV, da marca Eletrônicos S/A, fora comprada dois meses antes pela mãe da vítima. Exatos sete anos depois do ocorrido, em junho de 2016, a vítima propõe ação de indenização por danos morais e estéticos em face da fabricante do produto.

Na petição inicial, a autora alegou que sofreu dano moral e estético em razão do acidente de consumo, atraindo a responsabilidade pelo fato do produto, sendo dispensada a prova da culpa, razão pela qual requer a condenação da ré ao pagamento da quantia de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a título de danos morais e R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) pelos danos estéticos sofridos.

No mais, realizou a juntada de todas as provas documentais que pretende produzir, inclusive laudo pericial elaborado na época, apontando o defeito do produto, destacando, desde já, a desnecessidade de dilação probatória.

Recebida a inicial, o magistrado da 1ª Vara Cível da Comarca Y, determinou a citação da ré e após oferecida a contestação, na qual não se requereu produção de provas, decidiu proferir julgamento antecipado, decretando a improcedência dos pedidos da autora, com base em dois fundamentos:

(i) inexistência de relação de consumo, com consequente inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor, pois a vítima/autora da ação já alegou, em sua inicial, que não participou da relação contratual com a ré, visto que foi sua mãe quem adquiriu o produto na época; e
(ii) prescrição da pretensão autoral em razão do transcurso do prazo de três anos, previsto no Art. 206, § 3º, inciso V, do Código Civil.

Na qualidade de advogado (a) de Soraia, elabore a peça processual cabível para a defesa imediata dos interesses de sua cliente, no último dia do prazo recursal, indicando seus requisitos e fundamentos nos termos da legislação vigente. Não deve ser considerada a hipótese de embargos de declaração.

Tipo de peça: Recurso de Apelação, com fundamento jurídico no artigo 1.009 do CPC/2015.

Cliente:Soraia.

Foro : 1º Vara Cível da Comarca Y.

terá que ser feita 2 peças:

1º Peça: é direcionada ao juízo a quo, para que esteja ciente que estou interpondo um recurso e que houve o recolhimento de custas.

2º Peça: é as razões para qual interpôs o recurso de Apelação.

Esquema:

1- Fatos

2- Direitos

2.1 aplicabilidade do CDC-artigo , 3º e 17º.

2.2- prescrição-artigo e o artigo 206, § 3º, inciso V do Código Civil de 2002, acumulado com o artigo 1.981 do Código Civil.

3- Pedido

Reforma da sentença, para que seja julgado procedente a ação, condenando o apelado a pagar a indenização.

sucumbência.

1º Peça

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1º VARA CÍVEL DA COMARCA Y/SP.

(10 Linhas)

Nº do processo: XXX

Soraia, devidamente qualificado, nos presentes autos, vem por intermédio de seu advogado e procurador que este subscreve, nos autos da Ação de Indenização por Danos Morais e Estéticos que promove em face de eletrônicos S/A, vem tempestivamente e respectivamente a presença de Vossa Excelência interpor RECURSO DE APELAÇÃO, com fulcro no artigo 1.009 do Código Processual Civil.

Requer ainda, a juntada da inclusa guia de preparo.

Termos em que,

Pede Deferimento.

cidade, data, mês e ano.

advogado

OAB/.


2ª Peça

Razões da Apelação

Apelante: Soraia

Apelado: Eletrônicos S/A

Processo de Origem: XXXXXXXX

Egrégio Tribunal,

Colenda Câmara.

Eméritos Desembargadores,

1-Fatos

Em junho de 2016 a autora, ora apelante propôs ação de indenização por danos morais e estéticos em razão do acidente de consumo, ocorrido em junho de 2009, atraindo a responsabilidade pelo fato do produto.

ocorre que após a explosão do aparelho de TV da marca do apelado, adquirido pela genitora da apelante, esta perdeu a visão do olho direito, no entanto na época tinha apenas 13 anos de idade, sendo absolutamente incapaz, razão pela qual requer a condenação da recorrida ao pagamento da quantia de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a título de danos morais e R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) pelos danos estéticos sofridos. No mais, destaca-se ser desnecessário a delação probatória, uma vez que realizou a juntada de todas as provas documentais que pretende produzir, inclusive laudo pericial elaborado na época, apontando o defeito do produto.

Após o oferecimento da contestação, o magistrado proferiu julgamento antecipado, decretando improcedente os pedidos formulados pelo requerente.

No entanto, como será demonstrado a seguir, a sentença nao merece prosperar, devendo ser reformada.

2- Dos Direitos

2.1- Aplicabilidade do CDC

O código de defesa do consumidor logo em seu artigo , caput, estabelece o conceito de consumidor, sendo o mesmo como:"pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final", o que afasta a alegação do juízo sentenciante de que é improcedente a ação da autora, por nao ter participado de relação contratual com a ré, o que não é visto, segundo exposto no transcrito artigo, como impedimento para caracterização da relação de consumo, além disso, no artigo do mesmo código, é transcrito que o fornecedor é toda pessoa que desenvolvem atividades, seja de produção ou montagem.

Ainda, no código de defesa do consumidor, em seu arigo 17º, reforça a existência desta relação consumista ao estabelecer que equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento. No caso em questão, ao fato do produto, que teve como consequência o acidente sofrido pela autora do processo.

Sendo necessário falar ainda que no artigo 12 do código citado acima, trata sobre a responsabilidade objetiva da ré, independente da existência de culpa, pelo dano causado em consequência do defeito do produto, que inclusive, foram incluídos aos autos do processo laudo pericial apontando o defeito do produto, existindo portanto a relação entre o dano.

2.2 - Prescrição

quanto ao segundo fundamento da sentença, deve-se pretender o afastamento da prescrição, isso porque não corre prescrição contra absolutamente incapaz de acordo com o artigo 198, inciso I do código Civil. Do qual anula a tese do juízo a quo que fundamentou a prescrição prescreve em 3 (três) anos, conforme o artigo 206, § 3º do Código Civil. Assim como o artigo CC, que relata os absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil os menores de 16 (dezesseis) anos.

Deste modo a autora, ora apelante, efetivou- se em 2012, quando a mesma completou 16 (dezesseis) anos, tornando-se relativamente capaz. Dessa forma, a prescrição de sua pretensão ocorreria apenas em 2017, conforme o artigo 27 do CDC.

3- Pedido

Ante o exposto requer-se:

A- A reforma da sentença, para que seja julgada procedente a ação, condenando o apelado a pagar ao apelante, os danos morais e estéticos nos termos da inicial;

B- Requer ainda, a condenação do apelado nas verbas sucumbenciais, tais como as custas processuais e honorários advocatícios a serem arbitrados, conforme artigo 85 CPC.

Termos em que,

Pede Deferimento.

cidade, data, mês e ano.

Advogado

OAB.xx

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Não aplica-se o art. 27 do CDC para a prescrição? Correto em informar sobre a autora ser absolutamente incapaz, mas o fundamento também não seria o 27 do CDC que prescreve em 5 anos? continuar lendo

Sim, se aplica o artigo. 27. E ainda está incluso na peça. continuar lendo

trabalho muito bom, bem fundamentado com precisão nos pedidos. Perfeito. continuar lendo

Parabéns, pelo trabalho está excelente. continuar lendo